6 passos para entender e lidar com o fluxo menstrual intenso

6 passos para entender e lidar com o fluxo menstrual intenso

por Victoria Castro
|
11/12/2018
|
, , ,

Já no sexto dia de menstruação. Calça preta, moletom amarrado na cintura e absorvente noturno na calcinha. O maior de todos. Foi assim todos os dias. De repente, a temida sensação de umidade e pá: vazou de novo. Não só na calça, mas atravessou o moletom também. Que maravilha. Não faz nem 1h30 que troquei o absorvente! Parece que temos um novo recorde.

Essa situação parece familiar para você? Ou, se não rolou de forma parecida ainda, você sente que foi só por questão de sorte? Se sim, provavelmente seu fluxo menstrual é intenso.

Fluxos intensos e muito intensos são realidade para muita gente. São mais comuns na adolescência e no período anterior à menopausa, mas podem acontecer em todas as idades e por diversos motivos.

É um tema que provoca muitas dúvidas, especialmente sobre o impacto do fluxo intenso na saúde e se ele representa algum problema grave.

Por isso, trazemos aqui 6 passos para entender o que é, de fato, um fluxo menstrual intenso e como lidar com ele – seja tratando-o e reduzindo-o ou aprendendo a viver melhor com o sangramento.

 

1) Afinal: o que é um fluxo “normal”?

Antes de mais nada, para podermos comparar, precisamos entender o que é considerado um fluxo normal.

(quando falamos em “normal”, nos referimos ao mais comum e esperado, sem entrar no mérito do “bom ou ruim” ou “ saudável ou não”, ok?)

Conforme já discutimos nesse texto, é comum lermos que a quantidade normal de sangue eliminado em cada período menstrual fica em torno de 30 a 80mL. Isso equivale, em média, a um copo de cafezinho ou a 2-4 colheres de sopa.

Mas os métodos para medir o quanto de sangue eliminamos em cada menstruação são, em maioria, pouco precisos. Especialmente porque a menstruação não é composta apenas da sangue, mas também outros fluidos. Essa mistura facilmente ultrapassa os 80mL em fluxos não intensos, inclusive.

Porém, nem todo mundo tem noção do próprio fluxo em mililitros, certo? E, além disso, traçar métricas de intensidade é um tanto complexo.

Sendo assim, podemos considerar que um período menstrual “padrão” tem uma grande margem de normalidade, durando entre 3 e 6 dias, iniciando mais intenso e ficando progressivamente mais fraco ou iniciando fraquinho, aumentando em intensidade e enfraquecendo depois.

Num ciclo padrão: nos dias mais intensos, que são um ou dois dias do período, a demanda por protetores menstruais é maior. A calcinha menstrual, o absorvente ou o coletor que você usa precisam ser trocados num intervalo entre 4 a 10h (sim, a margem é grande!). Já nos dias mais fracos, você fica com eles pelo menos 6 ou 8h tranquilamente, sem nem sinal de estarem “no limite”.

Muito acima disso, o fluxo pode ser considerado intenso. Contudo, isso não significa que não seja normal. Segue:

 

2) Fluxo intenso nem sempre significa um problema

Sangrar mais que a média durante suas menstruações não necessariamente significa que algo esteja errado. Tenha em mente que pode ser apenas uma característica pessoal e até hereditária. Já perguntou para sua mãe, avó, tias como costuma ou costumava ser o fluxo delas?  

Se seu fluxo sempre foi intenso e você não tem sintomas associados (cólica fortíssima, fraqueza e desmaios, dores na pelve, febre), talvez esse seja o seu normal.

Se você tem ciclos razoavelmente regulares, é mais um indício de que talvez seja apenas uma particularidade sua!

Mas é importante descartar outras condições, ok? Por isso, o próximo passo é fundamental:

 

3) Investigue a origem do seu fluxo intenso

Para se conhecer e entender se seu fluxo intenso é de fato um problema, é importante desvendar a origem dele.

Ele ficou muito intenso de repente?

Neste caso, uma razão bem comum é um desbalanço hormonal entre o estrogênio e a progesterona, os dois principais hormônios femininos. Em resumo, o estrogênio deixa o endométrio (tecido que se forma dentro do nosso útero) maior, enquanto a progesterona controla esse efeito, nos dando fluxos mais leves. A questão é que só produzimos progesterona quando engravidamos ou quando ovulamos – por isso a ovulação é tão importante!

Outra razão – via de regra, não preocupante – para um fluxo mais intenso é o uso do DIU de cobre, um método contraceptivo. É comum, especialmente no período de adaptação ao método, mas não acontece com todas as usuárias do DIU.

Entretanto, é fundamental investigar se o sangramento excessivo é decorrente de outras condições, tais como:

  • gravidez
  • dificuldades de coagulação do sangue
  • miomas ou pólipos (“bolinhas” que crescem dentro do útero)
  • doenças no colo do útero ou endométrio
  • infecção ou Doença Inflamatória Pélvica (DIP)

 

Ele vem acompanhado de dores intensas?

Relate isso à profissional de saúde de sua confiança. Fluxo intenso pode ser normal, mas sentir dores incapacitantes não é, em hipótese alguma. A endometriose e a adenomiose são doenças comuns e muitas vezes têm o diagnóstico negligenciado. Além das dores, elas podem provocar sangramentos mais intensos que o habitual. Se cuida, viu?

 

4) Monitore a saúde sempre

Essa é uma orientação pra todo mundo, mas se seu fluxo é intenso, se torna mais importante reforçá-la. Se possível, monitore a saúde da sua tireóide (leia esse texto para entender a relação entre a tireóide e a menstruação) e até dos seus níveis nutricionais.

Algumas pessoas têm maior tendência à anemia devido aos fluxos muito intensos, e por isso é importante checar se está tudo ok com certa frequência e caprichar muuuuito na alimentação!

Uma forma legal de monitorar a saúde em casa é construir o hábito de acompanhar o ciclo menstrual, anotando o dia do início, os sintomas sentidos ao longo dele e a sua própria regularidade. Também é bom anotar informações específicas do período menstrual, tais como o uso de medicamentos, a intensidade do fluxo em cada dia, etc. Assim, além de se conhecer mais, você cria um acervo de informações valiosas sobre sua própria saúde!

 

5) Busque soluções naturais

Se o fluxo intenso acaba sendo um problema para você, há algumas formas naturais (tradução aqui) de tentar reduzi-lo – ou pelo menos tornar o período mais confortável:

  • Cuide do seu fígado e do seu intestino: parece loucura, mas é por estes órgãos que o estrogênio passa para ser eliminado – e o excesso de estrogênio aumenta o volume do sangramento. Portanto, controle o consumo de álcool e evite o uso de antibióticos indiscriminadamente e sem necessidade.

 

  • Evite leite de vaca: o leite de vaca possui uma proteína com potencial inflamatório. Evitar laticínios provenientes de leite de vaca pode ajudar a ter sangramentos menos intensos, principalmente entre adolescentes.

 

  • Coma bem: priorize comidas de verdade, evitando alimentos ultraprocessados. Vitamina B6 (carnes, ovos, gérmen de trigo, aveia, banana, abacate) e alguns fitoestrógenos (linhaça, nozes e sementes) podem ser aliados para o processo de reequilíbrio hormonal.

 

6) Esteja preparada para lidar com perrengues da melhor forma possível

Às vezes, acontecem vazamentos. Para quem tem fluxo intenso, esse tipo de evento é bem mais frequente. A dica aqui é estar preparada para as consequências de um fluxo intenso e, aos poucos, poder viver a vida e o período menstrual mais tranquila. Por isso:

  • Acompanhe o ciclo: entenda os sinais que antecedem a sua menstruação e anote quando ela inicia. Assim, você terá dados sobre a regularidade dos seus ciclos menstruais, podendo estar atenta e não ser pega de surpresa. No entanto, lembre que os nossos ovários não seguem calendário/previsões e variações podem acontecer, tá?

 

  • Tenha sempre protetores disponíveis e que te deem confiança: há, no mercado, opções de protetores para diferentes necessidades. A dica é sempre tê-los acessíveis com você, lembrando que os reutilizáveis (calcinhas, absorventes de pano, coletores) não devem ser compartilhados/emprestados. Caso você opte por uma calcinha menstrual, a Zuzu é o modelo mais indicado para você.

 

  • Considere duplicar a proteção: é possível combinar o uso do absorvente interno ou coletor com uma calcinha menstrual, ou vice-versa. Desta forma, você se sentirá mais segura e poderá estender um pouco o tempo de troca. Só não vale passar do tempo recomendado para cada um, hein?

 

  • Carregue água oxigenada na mochila: se você acabou de ter um vazamento e passou para a roupa, utilize um pouco de água oxigenada 10 volumes para retirar a mancha fresca. Mas tem que ser a água oxigenada 10 vol. líquida (não a em creme), para ferimentos!

 

Então, conseguiu identificar se seu fluxo é intenso? Já passou perrengues por conta disso?

Não esquece de mandar esse post para a sua amiga que sofre com a intensidade do fluxo! Talvez as dicas ajudem ela 🙂

 

Abraço,

Vic.

5 (100%) 2 votos
Comentários

Deixe uma resposta

Posts Relacionados

Quer ver algum tema específico no blog? Conta mais!





Entra com a gente nessa ;)

DIGITE SEU NOME E E-MAIL PARA FICAR POR DENTRO DE TUDO