Com que frequência você é interrompida por homens?

Com que frequência você é interrompida por homens?

O machismo está presente na estrutura de nossa sociedade. Ele se revela em conversas entre amigos, no relacionamento afetivo e até mesmo no ambiente de trabalho.
Diariamente as mulheres precisam se impor para serem ouvidas, além de serem muito mais interrompidas do que homens e até mesmo ignoradas. Para dar nome a quatro atitudes machistas, surgiram os termos: “manterrupting”, “mansplaining”, “bropriating”e “gaslighting”. Vamos conhecer mais sobre o que cada um deles significa?

  • Manterrupting:
– Homens podem ser feministas, mas antes eles precisam…
– Não, não. Se homens querem ser feministas, primeiro eles precisam…
Fonte: www.creativejeffrey.com

Essa palavra significa “interrupção masculina”. Ela faz referência aos inúmeros momentos em que as mulheres estão falando e são interrompidas por homens.

Para entender o tamanho desse problema foi criado até um aplicativo, chamado “Woman Interrupted”, que ouve conversas e conta quantas vezes as mulheres são interrompidas durante suas falas. Esse assunto ganhou força durante a campanha eleitoral dos EUA: em um dos debates presidenciais verificou-se que Donald Trump interrompeu Hilary Clinton 51 vezes! Nas eleições à presidência aqui no Brasil, Manuela d’Ávila foi interrompida 61 vezes durante um debate no programa Roda Viva.

Para combater o manterrupting você pode: ao perceber que está sendo interrompida fale em voz alta “eu gostaria de terminar minha fala” ou até mesmo “você está me interrompendo e eu ainda não terminei de falar”.

  • Mansplaining:

Essa palavra significa “explicação masculina”. Foi criada para se referir àqueles momentos em que os homens explicam coisas óbvias às mulheres, porque acham que ela não entendeu. Essa forma de machismo é bem sutil e pode passar até despercebida. O problema do Mansplaining é que ele inferioriza a inteligência das mulheres, como se elas precisassem de uma “explicação extra” para entender.

-Por sorte, eu estive em encontros suficientes para me preparar para essa situação.
-“Mansplaining” não é um ataque pessoal a você. É uma palavra que descreve um padrão comportamental da nossa cultura.
-Um padrão de negligenciar e desconsiderar o conhecimento, as experiências e as vozes das mulheres.
Fonte: https://thenib.com/mansplaining-explained

Vamos a um exemplo:

– Eu quero dizer, por exemplo, existe algo chamado Mansplaining. Vocês já ouviram falar disso? – Nós sabemos o que é Mansplaining.  – Mansplaining é quando um homem explica de modo condescendente para uma mulher algo que ela já sabe.  – Sr. Bachman, nós temos trabalho a fazer.

Para combater o mansplaining você pode: ao notar que isso está acontecendo diga “eu já entendi” ou ainda “você está explicando algo que eu já sei, isso é desnecessário”. Você também pode dizer que essa atitude tem nome, e explicar à pessoa o que isso significa.

  • Bropriating:

Essa palavra significa “apropriação masculina”. Diz respeito a momentos em que você está no trabalho ou na faculdade, fala uma ideia sua e ela não é ouvida com atenção, aí depois um homem repete a sua ideia e é aplaudido.

Isso acontece porque a voz das mulheres, muitas vezes, é escutada com menos atenção do que a voz masculina. Há uma ideia enraizada em nossa sociedade de que homens são mais inteligentes e de que o que falam merece ser ouvido, enquanto o que as mulheres falam fica em segundo plano.

Quando eu estava no 1º semestre da faculdade de História me deparei com essa situação, apesar de naquela época ainda não saber o nome que se dava a ela. Estávamos em uma disciplina de Seminário de Sociologia, e em meio a um debate eu argumentava com um colega meu. Um amigo que estava sentado ao meu lado e via o debate colocou a mão no meu ombro e disse em meu ouvido “deixa que eu falo, vou falar tua ideia com palavras mais rebuscadas”. Na mesma hora fiquei irritada e disse a ele que não precisava. Depois, nos corredores, conversamos e eu expliquei à ele que não havia gostado da atitude: a intenção dele até podia ser a de me ajudar, mas ele não ia me ajudar me calando.

Para combater o bropriating você pode: Defender sua ideia! Quando isso acontecer se levante e diga que essa ideia é sua. Que você falou e não foi ouvida com atenção. Tome a autoria de suas ideias, você é muito inteligente e merece receber os créditos por isso!

  • Gaslighting:

Essa expressão é usada para se referir a agressões psicológicas. Quando um homem diz “você está louca” ou “você é sensível demais”. Geralmente essas frases aparecem em momentos em que você está argumentando algo e algum homem desmerece o que você está falando e a ridiculariza ou a faz duvidar de seus próprios argumentos.

O Gashlighting é uma agressão que mexe com o seu psicológico. Ao verificar que está passando por isso é importante dar atenção à situação: conversar com a pessoa que está lhe agredindo e em alguns casos procurar orientação profissional de terapeutas pode ajudar a resolver o problema.

Para combater o Gaslighting você pode: Dizer que sabe o que está falando. Que não aceita que seu argumento seja menosprezado e nem ridicularizado com esse tipo de comentário.

Esses termos foram criados para ajudar a perceber e explicar certas atitudes machistas, que acontecem todos os dias e que na maioria das vezes passam despercebidas.
O enfrentamento do machismo acontece em todos os ambientes em que circulamos. Quando você se impõe ao sinalizar que percebeu alguma dessas atitudes, você combate o machismo e educa homens para que percebam que suas atitudes não serão mais aceitas. E para fazer isso você não precisa ser necessariamente uma mulher: sinalizar atitudes machistas e educar as pessoas com quem convivemos é um papel de todos nós!

Outra forma de enfrentar esses momentos é se unindo à outras mulheres, suas colegas de trabalho ou de aula. Conversar e compartilhar as situações machistas que passam vai unir vocês e fortalecer ainda mais o combate a desigualdade de gênero. A união feminina fortalece e a fala assertiva empodera.

E por aí, como você lida quando isso acontece?

Com carinho, Fran.

@franbitten

Share this post

Comment (1)

  • Janaina

    A-ME-I! Só conhecia o mansplaining, o manterrupting e o manspreading rs, os outros dois só não conhecia os termos porque a atitude nós mulheres enfrentamos todo o dia né!

    Achei super útil vocês mostrarem o que fazer nessas horas. Às vezes nós percebemos comportamentos assim conosco e não fazemos nada, só passamos raiva rs, mas acho que temos que começar a nos posicionar sim!

    No trabalho eu já “respondi” algumas vezes e hoje em dia já sinto que eles pensam duas vezes antes de falar alguma m*rda ou me tratar como inferior. É engraçado que quando eu respondo nessas situações, não consigo disfarçar minha cara de c* e a resposta acaba saindo meio grosseira ahahah. E o pior é que quando deixo transparecer minha indignação, começam a apelar para “ai ta menstruada? hihi”, “nossa como vc fica bravinha hihi” (acho que entraria no caso do gaslighting, né?)…… SENHOR DAI-ME FORÇAS hahahahaa

    beijuuu e força minas!

    20 de setembro de 2018 at 17:54

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0
Herself